Tudo o que disseste


Foi por tudo o que dissesteSem olhar para mimQue ficou mais uma históriaSem princípio nem fim…Na curva daquela estradaAinda hoje te vejoIgual a folha seca de outonoTriste e pálida das escolhas da vidaNão esqueci as nossas últimas palavrasAssim como o teu olhar fixo no chãoEra difícil falar-me olhos nos olhosNosso caso mal acabado ficouTanta coisa … Continue a ler Tudo o que disseste

Amar na simplicidade


Guiomar Marques

Ferreira Gullar | Poema Sujo


turvo turvoa turvamão do soprocontra o muroescuromenos menosmenos que escuromenos que mole e duromenos que fosso e muro: menos que furoescuromais que escuro:clarocomo água? como pluma?claro mais que claro claro: coisa algumae tudo(ou quase)um bicho que o universo fabricae vem sonhando desde as entranhasazulera o gatoazulera o galoazulo cavaloazulteu cutua gengiva igual a tua bocetinhaque … Continue a ler Ferreira Gullar | Poema Sujo

Sylvia Plath | Tulipas


Tulipas são excitáveis demais, é inverno aqui.Vê como tudo está branco, tão silencioso, coberto de neve.Aprendo a paz, deitada sozinha em silêncioEnquanto a luz se espalha nessas paredes brancas, nesta cama, nestas mãos.Não sou ninguém; não tenho nada a ver com as explosões.Dei meu nome e minhas roupas às enfermeirasMinha história ao anestesista e meu … Continue a ler Sylvia Plath | Tulipas