Ouço-te no silêncio das palavras


Eu ouço-te. De alguma forma ouço-te no silêncio das palavras que não me dizes. De alguma forma sinto o teu calor na escuridão fria do dia. Será que me consegues ouvir? Há tanto ruído nos meus gestos, tanta brusquidão no meu silêncio. Mas ouve-me, ouve-me mesmo quando as palavras mortas apenas esvoaçam. Ouve-me se eu me calar. Ouve-me se tiver a língua presa. Deixa-me ser o teu abrigo e tu o meu.
Muitas coisas não merecem ser ditas e muitas pessoas não merecem que as outras coisas lhe sejam ditas: o resultado é muito silêncio.

Este texto foi retirado do livro “Amores Clandestinos

Partilhem, comentem e sigam-me também nas minhas redes sociais:

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s