És a chave do meu coração


Existe um lugar dentro de mim de que te apoderaste sem pedir autorização. Entraste e nunca mais saíste e na verdade também nunca quis mesmo que saísses, nem quero. Gosto que mores nele, mesmo que não tenhas notado. Será que sabes que ali moras? Não te vou fazer qualquer tipo de cobrança, moras nele por minha vontade, pelos sentimentos que te tenho, por razões que não dominamos. Gostar não se impõe, não termos vontade de gostar de alguém pela sua aparência. São razões mais fortes, mais verdadeiras, mais genuínas, mais incontroláveis de controlar, porque sentimentos sentem-se, não se impõem.
O lugar é teu, só teu, só tu tens o poder de conquistar a chave desse lugar cativo, será que sabes disso? No fundo, no fundo acho que sabes que sim. No meio dos meus silêncios, da minha timidez… existem alturas, momentos, situações que me denunciam, por vezes em pequenos detalhes, como num olhar, numa troca de mensagens, na tua presença…
O lugar pertence-te por direito próprio, a chave dele é tua, apenas tua, só tu tens o privilégio por direito de aqui morar, viver, usufruir nele.
Podes entrar quando quiseres, a vida passa rápido, é curta demais para perdermos tempo, tempo que não volta, tempo que já não pode ser vivido.
Guarda a chave e entra.

Este texto foi retirado do livro “Amores Clandestinos

Partilhem, comentem e sigam-me também nas minhas redes sociais:

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s