Nicolas Boileau | Arte Poética


De alguns génios os tristes pensamentos
Embaraçados sempre em nuvens densas,
Não podem da razão nos luzimentos
Desbaratar as fúnebres ofensas:
Cuidai, se de escrever tendes intentos,
Dando à ideia as luzes mais intensas,
Que o que puro ou confuso se concebe,
Mais claro ou mais escuro se percebe.

E sobretudo não caiais no abismo
De adulterar do idioma o ser sagrado,
Nunca admitais pomposo barbarismo
Inda na melodia disfarçado:
De que serve um soberbo solecismo?
Que vai um termo próprio e viciado?
Enfim é o poeta mais divino
Sem pureza da língua autor indino.

Cuidai com ordem, e escrevei sem pressa,
Não presumais de rápida loucura;
Um estilo, que corre, e nunca cessa,
Pouco do entendimento a força apura:
Mais do que uma torrente, que se apressa
A inundar a campanha áspera e dura
Estimo um rio, que na branda areia
Vagaroso entre as flores se passeia.

Lento vos apressai, mas neste espaço
Não desmaieis por não achar conceito,
Vinte vezes aplique à obra o braço
A forja de que foi discreto efeito:
Puli-a sem cessar, sem embaraço,
E tornai-a a pulir não satisfeito,
Dai-lhe talvez aumentos primorosos,
E riscai, que estes versos são gloriosos.1

Não se estima um poema, que reparte
Acertos com mil erros desluzidos;
Hão-de ser sempre iguais em toda parte
Os extremos ao meio dirigidos;
Firmam um todo as obras de mais arte
De partes diferentes aos, ouvidos;
E assim nunca o discurso perca o fio
Buscando longe um culto desvario.

Temeis aos vossos pública censura?
Sede a vós mesmo crítico severo;
A ignorância admirada não murmura,
Mas buscai confidente o mais sincero:
Num amigo a verdade é mais segura,
Dos vossos erros inimigo austero,
Humilhando de autor louca vaidade
Distinguindo a lisonja da verdade.

Crede mais os conselhos que os louvores,
Que algum mostra que aplaude e satiriza;
Vede um adulador com que clamores
Em êxtases os versos soleniza:
Tudo é divino, tudo são primores,
Nada o ofende, tudo o suaviza,
Enternecido chora, alegre salta,
E com vãos elogios vos exalta.

Oh que a verdade ignora fingimentos,
E um sábio amigo, duro, rigoroso,
Não dispensa os mais leves pensamentos,
Com vossos erros nunca foi piedoso:
Ele coloca os «versos mais violentos
Da ênfase ambiciosa cuidadoso,
Na frase, na gramática repara,
No equívoco duvida, o termo aclara.

Assim um verdadeiro amigo fala,
Mas intratável vós em recompensa,
Quereis dar tom à obra, apadrinhá-la,
Interessado na suposta ofensa:
Se uma baixa expressão vos assinala,
Para que passe lhe pedis licença;
Isto é frio (vos diz), oh! que é notável;
Isto é mau. .. oh! senhor, que é admirável.

Em se não desdizer vive empenhado
O néscio autor em contumácia fera,
E um verso não consente ver riscado,
Como se nele um título perdera:
A quem encontra, afirma confiado,
Que tem nos versos mando soberano,
E lhe prende a atenção com este engano.

Depois de os recitar muito contente
Logo um simples encontra a que os refira,
Que um néscio autor no século presente
Sempre encontra outro néscio que o admira:
Na nobreza e no vulgo juntamente
Tem parciais a ignorância, em que respira,
E sempre louva (a sátira é constante)
Ao ignorante algum mais ignorante.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s