Deslizei em ti


Deslizo sobre um silêncio inadvertido que assombra em absoluto o meu caminho percorrido.
Uma nesga de luz ofusca este silêncio numa luz etérea. Uma luz que ofusca as sombras exaustivas da própria vida, enviando-as para as trevas da insensatez e fazer brilhar de uma maneira formidável a alma dos amantes intensamente e deslizar a luz sobrenatural que exibe no olhar e preparar esplêndidas apoteoses.
Deslizo-me entre pensamentos, vontades e desejos por ti.
Se eu te contasse a imensa saudade que me atormenta quando estou longe de ti, certamente tu não irias acreditar em mim.
Se eu te contasse das horas que passo sem fim a pensar em ti, a desejar ter-te aqui, mesmo que estejamos longe, certamente tu não irias acreditar em mim.
Se eu tivesse olhado nos teus olhos, tivesse apertado nos meus braços e tivesse contado o quanto eu te amo, certamente acreditarias em mim. Olhos falam e o abraço confirma!
Deslizo todo o meu olhar desde a cabeça até aos teus pés.
Deslizo o teu cheiro para a minha pele.
Deslizo a tua imagem o meu pensamento.
Deslizo as tuas palavras para o meu desejo.
Deslizo na minha memória, todo o teu corpo.
Deslizo as minhas mãos pela tua cintura puxando-te para mim.
Deslizo todas as minhas vontades pelo teu corpo sentindo o teu cheiro.
Deslizo o meu corpo sobre a tua cama deserta.
Deslizo-me pelas rugas dos lençóis brincando sobre o teu corpo.
Deslizo-me por todo o teu corpo para com prazer te satisfazer.
Deslizo-me sobre ti sob um lume ardente bebendo o teu corpo.
Deslizo perdido no teu mar de suor escorrendo e em silêncios gemendo.
Deslizei! Deslizei para o teu coração e no teu coração poetizei!

Hoje senti saudades do teu corpo, e com estas saudades estremeci e arrepiei-me da cabeça aos pés.
Sempre que te vejo, reparei sempre num belo sorriso que tens estampado no teu rosto. Olho para ti e no teu olhar entranharei para conquistar o teu coração com muito gosto. Olho para ti e o teu sorriso acalma-me e prende o teu olhar que invade a minha alma.
Saudades por ti, é algo que nunca imaginei que iria sentir, mas desde que pelo teu coração me apaixonei e em tua alma penetrei, metade de mim, é fogo intenso que sinto pelo teu corpo deslizarei e outra metade de mim, são palavras que nunca te direi, temos o mundo na palma da nossa mão e a nossa lei diz: palavras para quê? Temos uma vida inteira para amar, viver e desfrutar. Somos almas gémeas com um coração com o tamanho do mundo para vivermos assim, enamorados sem fim.
Senti ver-te. Senti tocar-te. Senti arrepiar-me. Senti-me a suar na saudade. Na saudade, que só um corpo sabe fazer arrepiar.
Os meus olhos brilharam quando o teu sorriso avistaram. O meu corpo tremeu no teu sorriso e só me apetecia era beijar-te. Estava a preparar-me para ti. Deslizei-me pelo teu corpo e acaraciei-te sorrateiramente com beijos, exalando um perfume exótico e derretendo em paixão, entreguei-me a ti como era a nossa vontade.
Senti fome de ti. Senti ser parte de ti. Os nossos corpos estavam completamente sintonizados em quereres como se nunca tivessem deixado de se quererem, até perderem todas as suas forças e as suas vontades serem saciadas.
Deslizei em ti num desejo de eu e tu, de sermos dois em apenas um nós. Deslizei sobre a saudade por sentir a tua falta. Deslizei por uma necessidade de sonhar contigo antes de adormecer. Encostado ao teu peito, minha cabeça descansei. Entre vontades e desejos, cruzamos pensamentos, beijamo-nos no rosto, massajamos as costas e entre toques e beijos, como por magia nesta curta distância da cabeça encostada ao peito e das mãos massajando as costas, tornámo-nos almas gémeas e nos braços um do outro dormimos a melhor noite de sempre, a noite de sono dos amantes saciados.
Acordo ao som do canto mais afinado dos pássaros que parecem festejar um novo dia. Aqui não há galo despertador, apenas pássaros que cantam afinados o hino dos festejos de um novo dia. Cantam durante horas, por vezes interrompido entre relâmpagos e trovões, mas ao primeiro raiar do sol voltam a cantar os pássaros ignorando a solidão e se enchendo de vida e de cor. Acordo e deixo-me levar pelo hino harmonioso e quase romancista dos pássaros.
Sento-me e sinto-me invadido por lembranças que me fazem vim à memória. Sento-me e deslizo a minha mão por onde devias estar, mas tu não estás. Sento-me e deslizo a minha mão para ver se te encontro e ter as conversas pela manhã que devíamos ter, os meus dedos tentam-te alcançar e tocar, mas tu não estás. Sento-me e deslizo na esperança de te ter ao meu lado, mas não te encontro. Sento-me e olho para o chão sem saber o que fazer mais. Sento-me e deixo-me ficar à espera que deslizes até aqui. Espero por ti para que deslizes para mim.
Deslizo para ti para que deslizes para mim e no fim deslizemos juntos de mãos dadas.
Deslizei em ti!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s